City Aguas

Saiba tudo sobre Caldas Novas

Caldas Novas, história e origem


Mitos e verdades sobre as águas termais de Caldas Novas
Se antes a fama era de cidade para turismo da terceira idade, atualmente Caldas Novas é nacionalmente reconhecida por seu crescimento nos negócios que envolvem o turismo. Grupos hoteleiros agregam valor ao destino e proporcionam o staff para que eventos, shows e festivais levem enorme público. Por ano, a cidade já recebe cerca de quatro milhões de pessoas.
Mas, indo ao que interessa, certamente você já ouviu falar das águas termais de Caldas Novas. Elas representam o principal ativo da cidade e colaboraram para o desenvolvimento da região não sendo difícil encontrar muitas histórias, mitos e curiosidades em torno de seu surgimento, propriedades e poderes. Quer saber mais?
O descobrimento das águas termais da região se deu em 1722 pelo sertanista Bartolomeu Bueno da Silva em uma de suas explorações em busca de pedras preciosas;
Caldas Novas é conhecida no Brasil como ‘a capital das águas quentes’, mas o título de maior manancial termal do mundo a faz reconhecida mundialmente;
Ao contrário que muitos pensam, a história de um vulcão inativo que aquece as águas de Caldas Novas e Rio Quente foi contestada após análises e estudos;
Provenientes de águas das chuvas que se infiltram na Serra de Caldas e ultrapassam 1000 metros de profundidade infiltrando-se pelas rachaduras e fendas naturais das rochas, as águas termais de Caldas Novas alcançam altas temperaturas com o calor vindo do centro da terra;
As águas quentes emergem entre 34°C e 58°C em Lagoa de Pirapitinga (em Caldas) e no Rio Quente. As temperaturas são naturais;
Por conta da vasodilatação provocada pela temperatura da água e suas propriedades, não é recomendável para as gestantes os banhos de imersão em águas termais;
Cerca de 15.000m³ de água são bombeadas nos mais de 80 poços em atividade na cidade;
Os minerais e oligoelementos presentes nas águas de Caldas Novas são indicados como coadjuvantes em tratamentos de problemas reumáticos, digestivos e metabólicos.

Fonte: Fabiana Meireles